15 de setembro de 2010

Lua azul


capitulo 05
A verdade.
-Anne é que ....não pode entrar ai.






-Por que?Essa é minha casa..e






-A alguem la dentro.






-O que?como?Minha tia.






Anne saiu desesperadamente do carro, mas eu fui mais rapido e a parei em tempo dela entar na casa.






-Me solta.






Ela gritava






-Sabe acho que não tem ninguem aqui..você..






Antes dela terminar a frase uma voz a parou.






-ora ora ora quem temos aqui..A sobremesa.






A voz vinha de dentro da casa, eu sabia que era ele.






Anne arepiou-se.






-Fica calma vai ficar tudo bem...






-Como pode ter tanta certeza Senhor Cullen?






Me assutei quando vi a figura mais horripilante.






O Vampiro saiu de dentro da casa com as roupas todos sujas de sangue fresco.






-Quem é você?






Anne gritou para o vampiro que sorriu com o desespero dela.






-Alguem..mas meu assunto não é com você pirralha e sim com seu namoradinho. Aro vai gostar de saber que outro Cullen esta namorando uma humana.






Ele gargalhou.






Então ele era um volturi?






Droga.






Sabia que eles eram maus mas A Jane era tão meiga comigo, Aro tão protetor... Como eles podiam ser maus.. Mas lembro da historia de minha familia.






-O que Aro tem haver com isso?






-Nada. So quero provar um pouco de sua namorada.






Nem vi e nem senti o vampiro estava em cima de Anne.






Vi tudo ficar vermelho e so tinha um ponto.






Mata-lo.






Voei em sua direção. Com o impacto de nossos corpos eu arranquei seu braço esquerdo.






Ele rosnou com minha atitude, e eu retrebui.






Não sabai lutar, mas pelas aulas que Emmett me dera daria pro gasto.






Consegui rapidamente arrancar seu outro braço e por fim sua cabeça.






Ele não era um bom lutador essa era minha sorte.






Estranhei ver tudo quieto.






Não havia ninguem na rua.






Olhei para a casa e ouvi soluços.






Entrei e me deparei com a cena mais dolorosa já presenciada.






Anne estava debruçada no cadaver de sua tia.






Uma lagrima escorreu do meu rosto.






Uma dor enorme cresceu no lugar do meu coração.






-Quem é você?






Anne tinha uma voz de desgosto e nojo.






-Anne precisamos conversar.






-Não me diga o que você é!!






Sua compostura tinha mudado ela tinha raiva na voz e muita dor.






-irei te explicar mas tem que confiar em mim.






-Como se seu amigo matou minha única familia?






-Ele não era meu amigo Anne.






Ela então virou pra me encarar.






Não queria olha-la e ter que mentir.






Mas depois de que ela passou não poderia esconder o que eu sou.






-Anne irei te explicar minha historia. Mas terá que confiar em mim. Eu nunca irei te machucar eu juro.






Ela estava confusa. Olhou o corpo de sua tia e não conseguiu resistir e chorar.






Fui ao seu encontro e a peguei no colo.






-Não eu...quero ficar com ela..






-Por favor ate a gente conversar.






Pedi na minha voz mais doce possivel.






Ela acentiu.






Fui para o outro comodo que continha uma cama.Sentei com ela ainda nos meus braços.






Seu cheiro era viciante. Queria te-la assim para sempre.






-Bom minha historia começa com Isabella swan...Quando ela decide vir morar com o pai aqui em Forks a uns 30 anos no maximo....






Contei tudo sobre os vampiros, lobos, Bella, Volturis, minha mãe, meu pai, eu e Vannesa. Tudo ate o momento de agora.






Ela continuava no meu colo.Imovel.






-Anne esta acordada?






-Sim.






-Então?quer me matar agora?






Ela sorriu e olhou para mim.






-Como se fosse possivel.






Eu não me contive e tive que rir com isso.






-Mas não esta querendo sair correndo pela aquela porta e gritar para o mundo o que eu sou?






-Não.






-Por que?






-Por que eu gosto de você...E você não é mau.






Essa menina era demais.






Apertei ela bem forte ela gemeu.






-Tudo bem mas você é muito forte.






-Desculpe






-Mas e o assunto, minha tia? e o cadavaer do vampiro la fora?






É isso é uma coisa que eu não havia pensado.






-Va para o carro. Agora.






Ela não quis obedecer mas a forçei.






Naõ era um cena que ela gostaria de ver.






Assim que Anne saiu fui ate o cadaver do vampiro e o levei os pedaços pra perto de sua tia.






Ambos juntos joguei querosene que havia na cosinha e taquei fogo...






Quando voltei ao carro Anne estava aos berros.






-Vai ficar tudo bem..






Disse tentando acalma-la.






-Eu sei..é que eu não tenho pra onde ir... e...






-Espere pode ficar na minha casa..






-Não...






-Não eu faço questão...So por uns dias ate se estabelecer...Por favor..Por mim?






-Não sei..






-Eba.






Segui sentido a minha casa seria algo muito estranho morar com ela.






Mas era um risco que tinha que correr.


Nenhum comentário:

Postar um comentário