12 de agosto de 2010

Doce pesadelo

Capitulo XXIV - A qualquer custo.


Alice


Quando Gabriela e Diego terminaram de contar a história da Melanie fiquei sem palavras, como uma garota pode sofrer tanto com apenas 12 anos de vida? Olhei pra Jasper e ele parecia preocupado, mas eu já sabia o porque dessa preocupação, era Pietro. Ambos estávamos com medo da sua reação, com certeza ele quer ir atrás dela e está decidido a fazer isso pois eu não estou conseguindo ver seu futuro o que significa que ele está envolvido com ela. Não sou ninguém para impedi-lo ela é sua alma gêmea mas se ele fosse, eu não saberia o iria acontecer com ele e iria morrer de preocupação. Pietro já faz parte da família, eu o amo como amo Emmet, Edward e até mesmo Jacob, não suportaria se alguma coisa acontece-se com alguns dos meus irmãos. Ele saiu do seu estado de choque e foi em direção a porta e eu mais uma vez entrei na sua frente.


- Alice eu já ouvi o que ela tinha pra dizer, agora me deixe passar.- Ele disse ríspido, eu já não tinha mas argumentos pra usar mas eu não podia deixá-lo passar.


- Você não pode sair assim sem mais nem menos é suicídio.-Era inútil tentar convencê-lo.


- Eu não me importo, tenho que ir antes que seja tarde de mais.- Ele passou por mim e dessa vez não tinha como eu impedi-lo. Olhei pra Jasper e ele já ia atrás dele.


- Vou com você.- Jasper disse decidido. O QUE?! Mas é claro que ele não ia mesmo, se não suporto perder meus irmãos imagina o amor da minha vida, ele que me matar só pode.
- Você não vai mesmo.- Corri até Jasper e segurei seu braço.


- Ele não pode ir sozinho. –Jasper disse me acalmando, mas eu ainda estava com medo muito medo.


- Claro que eu posso e vou, não por a vida de ninguém em risco. – Pietro parecia outra pessoa nunca o vi tão transtornado.


- Sozinho você não vai, é um Cullen agora e os Cullens se protegem.- Jasper também estava decidido. E eu como é que fico? Eles não tem nenhuma consideração com a família não, ia ter uma boa conversa com Jasper mas tarde.


- Ei e eu vocês estão esquecendo de mim, e os outros? Ninguém vai sair daqui não.- Disse com uma voz autoritária.


- Parem vocês dois, eu tenho que ir salvá-la e estou perdendo tempo aqui!- Disse Pietro quase gritando.


- Alice você volta pra casa e conte aos outros o que aconteceu, eu vou com Pietro.- É ruim ein, se Jasper está decidido a ir eu também vou.


- De jeito nenhum se você for eu vou.- Ele não podia me deixar assim, e se alguma coisa acontecer?


- Não você não vai, Aro está de olho em você é muito perigoso.- Jasper já estava me irritando.


- O mesmo perigo que é pra você é pra mim também, eu vou com vocês e ponto final.- Quando entra uma coisa na minha cabeça, não sai mais.


- Fique com ela Jasper sabe que se você ela vai não tem jeito.- Pietro disse impaciente. Jasper analisou a proposta uma pouco, ele sabia que não poderia ir sem me levar junto e ele é tão preocupado com minha segurança que acabaria cedendo e ficando.


- Está bem eu fico.- Disse ele mal humorado. Estava meio aliviada pelo menos Jasper estaria seguro. Mas ainda sim Pietro não mudou sua decisão.


- Prometo voltar. – Foi a única coisa que ele disse, pegou meu carro e saiu em disparada. Eu e Jasper ficamos observando o meu porshe amarelo se distanciar, senti os braços dele me envolvendo me acalmando.


- Não consegue ver nada?- Perguntou ele mas no fundo já sabia a resposta.


- Não.- Disse com uma voz de choro.


- Nos perdoem por tudo que estão passando. - Ouvia a voz da Gabriela na entrada da casa, já tinha me esquecido de que eles estavam ali. Sai dos braços de Jasper e olhei em direção a ela Diego estava um pouco atrás.


- Não se culpem tanto, foi obra do destino não planejaram isso.- Disse tentando os acalmar, percebia que estavam sofrendo e se culpando.


- Não querem ir pra nossa casa, tenho certeza de que serão bem vindos.- Disse Jasper amigável, olhei pra ele aprovando sua idéia.


- Não queremos incomodar, estamos bem aqui.- Disse Diego meio receoso.


- Por favor não será incomodo nenhum.- Respondi tentando convencê-los.


- Esta bem nós vamos.- Disse Gabriela tentando parecer alegre, mas sabia que não estava.




Pietro




Não estava conseguindo pensar em mas nada só em salvá-la e estava com um ódio imenso de todos que a fizeram mal que a fizeram sofrer, queria matar um por um. Nunca pensei sentir tamanha raiva na minha vida. Como uma pessoa pode ser tão cruel só pra conseguir o que quer? Se Melanie tivesse se aberto comigo, nada disso estaria acontecendo. A essa hora ela deve estar aterrissando em Volterra. Será que ainda daria tempo? Eles não podem transformá-la, não tem o direito. Cheguei no aeroporto e mais que depressa fui no balcão de atendimentos.


- Quero uma passagem para o próximo vôo para Florença.- Disse exigindo da aeromoça.


- Todos os vôos estão lotados o próximo só amanhã.- Ela disse mastigando o chiclete e olhando pro computador. Resolvi apelar vi em sua mão que ela não tinha aliança então meu plano sairia perfeito.


- Ana, estou certo?- Vi seu nome no crachá.- Posso te chamar de Ana?- Ela olhou pra mim e se queixo caiu, estava quase babando.


- Cla.. Claro.- Ela estava ficando vermelha.


- Ana.- Eu me apoiei sobre o balcão.- Tenho que ir urgentemente para Itália, o meu irmã vai se casar e eu sou o Padrinho, seria muito feio o padrinho chagar atrasado no casamento e tenho certeza de que você pode fazer a gentileza de procurar um vôo pra hoje se for possível pra agora, sei que você tem os seus truques e seria muito grato se fizesse isso por mim.- Terminei de falar e dei uma piscada, a mulher só faltava desmaiar ali mesmo, ela estava viajando, seus pensamentos eram os mais obscenos possíveis,resolvi chamar sua atenção.


- Ana?- Perguntei charmoso, apesar de estar parecendo eu não estava nenhum pouco calmo.


- Ah, sim claro só um minuto.- Ela procurou no computador uma vaga pra mim e em menos de dois minutos ela tinha achado.


- Só tem na primeira classe pra daqui a uma hora.- Ela respondeu ainda vermelha e envergonhada.


- Perfeito.- Perfeito nada tinha que ser preá agora mas fazer o que não poderia exigir muito dela afinal não é sua culpa eu estar com pressa.


Peguei minha passagem e fui me sentar, se eu pudesse iria correndo mas sei que mesmo esperando uma hora, de avião seria mais rápido. Só estava pensando em minha Mel e em como ela deveria estar com medo. “ Não se preocupe eu estou indo” sussurrei pra mim mesmo. Iria salva-la a qualquer custo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário